sexta-feira, 30 de setembro de 2016

PASSANDO COMO UM FOGUETE

Texto de autoria de Alceu Natali com direito autoral protegido pela Lei 9610/98. LEIA O TEXTO AO SOM DA MÚSICA DO VÍDEO POSTADO NO FIM. Sem ela, a vida seria um erro (Friedrich Nietzsche)


Por alta recreação de seus pais, Pelo ventre do qual quis se livrar jamais, Começou a viver extravagante, Porque a vida perdoa raramente aquelas que não a vivem bastante, Ela quer aproveitar, Ela quer gozar, Sorver na flor a fragrância profunda, Na qual cobiçosa se imunda, Formosura que não se deve cheirar, Que aprisiona o ar, Maldiz a vida que vive, Como um peixe livre, Com vida própria sem conhecer mágoas, Não respeitando o curso das águas, Que levam outras vidas sem sanha, Vidas de águas de rosa nas quais ela se banha, Nas quais nada à aventura, Sai pelos seus afluentes impura, Em cada margem uma cabeçada, A cada volta à correnteza mais uma empreitada arriscada, Não sabe ganhar, Como bebidas espirituosas que ganham com os anos, Não sabe perder, Como vestidos novos que perdem com velhos remendos de panos, Quer vencer, A fúria do mar com frágil embarcação, Com medo de morrer, Como a primavera morre com a chegada de cada verão, Com medo de subir direto ao inferno, De queimar no fogo eterno, Quer penetrar no sétimo céu, Para lá rumar do sonho ao léu, Porque sabe de certos anjos, Que reverenciam a se deleitar, Condutas em desarranjos, Fantasias para a vida se enfeitar, Quer cobrir seu firmamento com uma joeira, Quer tapar seu sol com uma peneira, Porque sabe de certos demônios, Que desdenham a se martirizar, A felicidade nos matrimônios, A vontade da vida melhorar, Não quer que ninguém saiba que canta somente prazeres, Que não geme somente de amores, Finge que ninguém sabe da perdição de seus afazeres, Que consegue esconder de todos suas verdadeiras dores, Em nenhuma noite de confidências contará seus segredos, Em todas manhãs de incontinências exporá seus arremedos, Destrói tudo o que está ao seu alcance no auge de uma tola paixão, Paixão por si mesma que impede-a de ver as boas qualidades em ação, É pródiga e incapaz de controlar uma explosão de ira, E a natureza é com ela pródiga de graças, É arrebatada e melindrosa num amor para o qual se atira, E o mundo é com ela solidário nas suas desgraças.