terça-feira, 27 de setembro de 2016

O PRIMEIRO DIA DO RESTO DE MINHA VIDA

Texto de autoria de Alceu Natali com direito autoral protegido pela Lei 9610/98. LEIA O TEXTO AO SOM DA MÚSICA DO VÍDEO POSTADO NO FIM. Sem ela, a vida seria um erro (Friedrich Nietzsche)


O primeiro amor de sua vida jamais impediu-me de admirar a sua manha de uma paixão, Você não me sentia, Mas eu  já poderia lá estar com uma cumplicidade de irmão para irmão, Ainda prisioneiro de sua liberdade, De minha instabilidade, Amigo imprevisível de sua felicidade, E até onde o pensamento alcançava, Na imensidão de seu olhar, Calmo, Refletindo o mesmo azul do firmamento, Espelhado ao sol, E suavemente ondulado pelo vento, Batia-lhe o meu ímpeto de nela se lançar, De nos fazermos ao mar, E marcar toda nossa existência, Eu não te via, Mas poderia estar lá no meio de uma multidão, Orgulhando-me de sua importância, Seu sincretismo multiplicado de autonomia e autoafirmação, Quão pássaro que conquista o ar transparente, Vendo as nuvens salpicando o chão do mundo com sombras de esparsos brancos, Sorvendo as altas águas dos oceanos, Onde os ecos de minha voz te procuravam num futuro não muito distante, Você não me ouvia, Mas ouvia a alegria de ter seu nome pronunciado, Fazendo a alegria de um homem bem-amado, E a minha por ter a sorte de ter encontrado, Numa vida em decomposição, Urgindo uma recomposição, E ainda continuei preso àquele momento de insanidade, De eternidade, Do qual jamais conseguia me desvencilhar, Sem ter desconfiado, E quanto me lamento por ter desistido de lutar contra minha enfermidade, E quanto agradeço à morte por ter levado o que sobrou de mim,  E ainda ter me permitido fazer um novo fim.