sexta-feira, 30 de setembro de 2016

MANHÃS ESPECTRAIS

 Texto de autoria de Alceu Natali com direito autoral protegido pela Lei 9610/98. TEXTO AO SOM DA MÚSICA DO VÍDEO POSTADO NO FIM. Sem ela, a vida seria um erro (Friedrich Nietzsche) 


Nota: Além do texto, os londrinos se amarraram na ilustração, capa de um álbum da banda britânica OASIS, uma foto tirada numa transversal da famosa Oxford Street, quase em frente à loja de sebo de CDs chamada SELECTA (a primeira do lado esquerdo), onde comprei e troquei CDs muitas vezes nos anos 90. Em tempo: a música é da banda britânica CORNERSHOP, formada por um inglês e um indiano e tem o nome de SPECTRAL MORNINGS (Manhãs Espectrais), nome que achei adequado para o título de minha poesia.



Manhã de glória, Pose de Lord, Manhã da história, Patíbulo em Oxford, Em Paris dancei o último tango, Em Liverpool cantei além-mundo, Eterno campo de morango, Eterno surreal sou oriundo, Na porta da última morada, Wilde, Keats e Yeats são seus, Na janela da arte narrada, Woolf, Lessing e Austen meus, Manhã que aureola, Massa verde na água mel, Morre na pedra que rola, Meu espectro sobe ao céu, Em Praga meu coração é Rilkeano, Em Grangemouth gêmeo de Cocteau, Incomparável voz de verso Joyceano, Incomparável sabor de vinho Bordeaux, Na sala da primeira oração da sapiência, Espero morrer antes de envelhecer, Na fase última de minha curta vivência, Espero vencer antes de morrer, Manhã espectral, Máquina estatal na indefesa beleza, Morre no voo da projeção astral, Minha glória no chão sem surpresa, Na America meu orgulho é de cor preta, Na Irlanda ele fala em nome do amor, Vocês dois na rua sem nome e sarjeta, Vocês dois sem ninguém e sem temor, Na noite turbulenta seu sorriso, O sol precisa se pôr para se levantar, No sonho calmo seu paraíso, A lua precisa girar para equilibrar, Manhãs gloriosas, Manhãs para onde os espectros apontem, O futuro era uma pergunta de vozes curiosas, O futuro é o que vocês decidiram fazer dele ontem.