sábado, 1 de outubro de 2016

O DIA DE MINHA MORTE


Texto de autoria de Alceu Natali com direito autoral protegido pela Lei 9610/98. LEIA O TEXTO AO SOM DA MÚSICA DO VÍDEO POSTADO NO FIM. Sem ela, a vida seria um erro (Friedrich Nietzsche)

O rei da cocada preta na barriga leva embora consigo a vida de nababo, Sem lei nem grei, As duas únicas súditas, Fazendo as vezes de urubus, Carpideiras, Carregadoras de caixão, Coveiras, Misseiras de sétimo dia, Romeiras dos finados de Novembro, Agora marcham nos gastos, Nada sobra, Nem para acender uma única vela, Nenhuma pálida oferenda de luz bruxuleante para Deus, O Diabo as tem de sobra, Todas rubro-negras, E as doa, Praza a ele que a morte não sequestre, Ao seu zelo, Seu acordo com o defunto, Deposita no velório da alma vendida, Seu cacife que disputa com seu arqui-inimigo, Satura a guarda e a sentinela com muitas camirangas, Presentes que um potentado manda a outro, Mimos soberanos, A música escolhida pelo falecido ecoa nos ouvidos longínquos, Como numa concha acústica de teatro grego, Rimbomba com uma estridência que incomoda as duas mulheres, É calada, Dando lugar ao som do silêncio, A estancar todas as vozes da natureza, Como um disco voador aterrissado, Na sua solidão que desconhecemos, Como nesta noite que será encurtada, Adiantando o enterro, Por conta de cambaleantes sonolências, E desavisadas ausências, Exceto por um intruso, Que se mantém invisível, E do tinhoso recebe só um olhar de indiferença, Porquanto em vida, Não atinava para a falência múltipla de um falto de juízo, E em termo, Respondendo a preces, Nunca foi ouvido, Resta, Então, Às resignadas choramingas, Improvisar um dueto gregoriano de despedida, Que emociona até o coisa à toa, E em sinal de cínico respeito, Deita seus lábios sobre a testa do moribundo, E espalha pelo ambiente uma catinga de carniça podre, Enxofrada, Tal qual o fedor da decomposição de um corpo sob a terra, Um a menos que já nem fazia mais parte de qualquer estatística, Quantos cidadãos comuns do antigo império romano morreram sem nome? Todos! Quantos escravos da gloriosa Atenas fazem parte dos anais da história? Nenhum! Quantos servidores e usurpadores dos dias atuais continuarão a existir para a posteridade?


video