sexta-feira, 30 de setembro de 2016

NATUREZA MORTA



Texto de autoria de Alceu Natali com direito autoral protegido pela Lei 9610/98. LEIA O TEXTO AO SOM DA MÚSICA DO VÍDEO POSTADO NO FIM. Sem ela, a vida seria um erro (Friedrich Nietzsche)


De onde vejo o sol há muito silêncio e nenhum movimento. Ele está longe do universo. Seu lar é a terra com seus passarozinhos redomoinhando o céu, silhuetando suas formas ágeis e delicadas, num bailado não ensaiado, diante e distante de uma chama branda que harmoniza-se com nuvens desamarradas e crestadas de rosa. De onde estou posso ler seus bicos cantando, ecoando e passando ao largo da minha imaginação, deixando-se levar pela aura que estende-se até onde as águas cacheadas de verde encontram-se com o firmamento macio e ainda anilado. Meus olhos percorrem prados ondulados até onde as montanhas esmeraldas alquimiam-se com o ouro do pôr do sol, juntando-se à serenidade da noite, caindo lentamente e acalmando o coração, que bate com a taciturnidade das estrelas e cumplicia-se com o sortilégio da alvorada. Da banda oposta vejo o lado iluminado movendo-se calado e com seu rosto espreitando a pálida escuridão. Ele ainda continua bem afastado do cosmos. O teto de seu lar está vazio, sem deixar nenhuma marca onde há pouco penduravam-se olhos cintilantes que de longe observavam almas com uma aparente insensibilidade de natureza morta. De onde ainda estou gostaria de vê-lo despontar no fundo do quintal de sua casa novamente, acordando e cativando a fauna no palco onde a mesma peça é representada todos os dias. Onde estarei dormindo pela última vez, meus olhos se voltarão para o alto e sondarão as mesmas imagens ilusórias. Meu espírito buscará os mesmos sentidos vãos. E por mais alto que eu pense, ninguém me ouvirá. E por mais distante que meu pensamento viaje, ninguém o encontrará. Por mais viva que esteja minha essência enquanto deixa marcas deléveis no mundo, é a magia de meus sonhos que viverá para sempre.


video