sábado, 1 de outubro de 2016

SONHOS COM ESTRELAS (MEU ÚLTIMO POEMA PRA DEIRDRE)

Texto de autoria de Alceu Natali com direito autoral protegido pela Lei 9610/98. LEIA O TEXTO AO SOM DA MÚSICA DO VÍDEO POSTADO NO FIM. Sem ela, a vida seria um erro (Friedrich Nietzsche)


Precisei de uma alma bastante amiga, Para sair robustecido na fé e na crença, Deste impasse, Emprestei de nossa mãe terra, Para penhorar meu amor, O céu veio nos buscar, E antes do sol nascer, Elevou-nos, Brilhando telas, E exalando âmbares, Por amazonas cupidinosas, Anti-ares, Apontando com seus arcos certeiros, Seus lindos seios cortados, Elas são de nosso torrão, Estão em nossa bandeira, Continuamos hasteando, Atravessando as estrelas, Flautas encantadas que afugentam todo perigo, Atraíram-nos para as fantasias que pensávamos existir só no país das maravilhas, Com nosso avanço pela galáxia, Entrevemos, De longe, Nosso sol, Como um pastor sentado à borda de um tênue regato de gases e poeira, Como num braço de ribeiras de várzeas, Aparecem-nos arabescos caprichosos, Românticos, E devaneios poéticos, Eis ali os dois irmãos inseparáveis, Os filhos de Leda, A cabeça do primeiro gêmeo, E os pés do segundo, Ambos guardados com absoluta felicidade pelas mãos do guerreiro do centro, E nas extremidades vemos a  princesa tecelã, E o pastor de gado, Que se veem só uma vez por ano, E quando chega o dia, Lançam-se de encontro um ao outro como num voo de águia, Parecendo vegetais felizes, Mergulhando as sôfregas raízes, A procurar no solo ávidas seivas em seus lábios, Eles, Assim como nós, Ao contrário do romancista que entra na literatura com o pé direito, Têm os pés esquerdos de algo central, De algo maior, E se apartam pé ante pé, Sem solércia, Sem Negaça, Até que o brilho de seus olhos se reduzem ao som de um pulsar, E simplesmente sentem, Só com a imaginação, Sem o coração, Que já fora de leão, E agora é um pequeno rei, Mitológico, Do tempo da virgem Erígona, Seu pai Icário, E seu cão Maera, Aqueles que se seguem, Ao clarão de belas supernovas, Faróis para todos navegantes do universo, Como o piloto do navio de Menelau em sua expedição para reaver Helena de Troia depois dela ter sido levada por Páris, Como eu que tenho você, Mulher e amada ao pé de si, Que me faz um homem feliz e completo, Te trago de volta, Correndo, Levando conosco uma braçada de cosmos retardatários, Colhidos pelo caminho que trilhamos, Levados pela boa vontade de nossos sonhos.