sábado, 1 de outubro de 2016

ET JEANNE, LA BONNE LORRAINE QU'ANLAIS BRÛLÈRENT Á ROUEN, OÙ SONT-ILS, OÙ, VIERGE SOUVRAINE? MAIS OÙ SONT LES NEIGES D´ANTAN?



Texto de autoria de Alceu Natali com direito autoral protegido pela Lei 9610/98. LEIA O TEXTO AO SOM DA MÚSICA DO VÍDEO POSTADO NO FIM. Sem ela, a vida seria um erro (Friedrich Nietzsche)

Hoje trago amor, De Domremy, Amor que não me pertence, Nem a Neufchâteau, Amor de moça sem rosto, Resoluta em Vancouleurs, Que há pouco bailava ainda menina na relva pintada pelo artista, Moção sublime em Chinon, De olhos arrebatados sempre a mirar do alto de uma colina, Entregue aos humildes pensamentos que te compensam, Por instantes, Dos sofrimentos impostos por aqueles que ainda te duvidam em Poiteirs, Não pelo mero prazer de duvidar, Mas por ambicionar certezas políticas, Sempre voltada para o filho de deus menino em oração, E ele a acompanha de Tours a Blois, Porque tão cedo esse pequenino mundo do universo a convocou, Para que os cuidados da ciência dos homens e a intuição feminina de seus cuidados triunfassem em Orleans, Repartissem sua ternura com sua força, Para os sois de verão realizarem as glórias prometidas em seu coração, Num mundo ainda de criança que ordenhava ovelhas, As viseiras de elmo feito diamante, Alevantando um pouco, Mais seguro, Para amortecer, Se pôs diante, Da forte e dura pedra de Jargeau lançada à sua cabeça indefesa no chão, Enquanto seu olhar ainda voltava-se à contemplação de águas sossegadas, E contemplando teu vulto sagrado, Meung-Sur-Loire e Beaugency compreenderam teu dever, Enquanto aquelas águas davam à paisagem um encanto de conto de fadas, Para que ela cumprisse em Rheims o que as vozes da espiritualidade a inspiravam, Fazendo ciranda em volta das árvores, Sorrindo nos folguedos das estações, De amor e destemor, Nos outonos e primaveras de guerra e paz, Na agitação de gente que ainda por aqui passa e deixa sinais, Como os que essa jovem sem rosto atrai, E quanta coisa ela tem que deixar para trás? E quanto amor ela guarda para a glória de seus ancestrais? E quanto mais para a indiferença dos que um dia não a desejarão mais? Hoje a menina-moça sem rosto traz amor, Que a Paris de futura luz resistiu-lhe com um dilúvio de sóis apagados, Um amor do qual só um é senhor, De espírito e corpo desarmados em Gien, Um senhor de tantas feições, Para as neves de inverno dificultarem sua devoção ignorada pelos seus próprios pares, Feições que resplandecem no breu sem fim, Ainda estremecem St. Pierre de Moustier, Vastidão que amedronta os olhos que aqui embaixo observam, As derradeiras e árduas batalhas pelas vidas em La Charitê-sur Loire e Lagny, Onde o filho de deus menino sempre amou, Foi traído e a menina-moça perdeu a liberdade em Compiéngne, Com as mesmas moedas que os judeus pagaram aos de sua raça e os franceses aos ingleses, Uma via cruxis que começa em Arras, E tão tarde para essa terra nos prometeram devolver este menino, Mas ele a acompanha em Beaulieu e Beaurevoir, Perpetuando nossa esperança de amor, Até seu fim em Roeun, Quando o amor ainda é de criança que pastoreia ovelhas meninas, Que se entregam ao frescor de águas espraiadas, Dão ao vinho um sabor de festa de bodas, Cantam para os homens dançando em quadrilhas, Se embalam à luz do sol e à leveza da neve, Em tempos de amizade sem rancor, De flores no alto e no chão, na trégua e na regeneração, De lembranças de pessoas que por aqui nunca mais passarão, Como esse filho de deus menino sem rosto de igual veneração, E que coisas mais ele reserva para o futuro? E quanta dissidência ele evita para a vergonha de seus descendentes? E quantas mais para os que se arrependem tardiamente? Ontem o menino sem rosto concedeu o perdão, Que a vida mundana lhe negou, A mesma vida que esta menina sem rosto sacrificou, Para que eu hoje pudesse trazer amor, Um amor que não me pertence, Mas que dela hoje trago para fazer companhia à nossa dor, E para te conhecer, Seus contemporâneos e pósteros teriam dado Versalhes, Paris e São Denis, As torres de Notre Dome, O campanário de sua sua terra, E os estrangeiros, Taj Mahal, Roma e Santiago de Compostela, A Basílica de São Pedro, Os santuários de todo o mundo.

video