terça-feira, 27 de setembro de 2016

MARAVILHAS EXPLICADAS

Texto de autoria de Alceu Natali com direito autoral protegido pela Lei 9610/98. LEIA O TEXTO AO SOM DA MÚSICA DO VÍDEO POSTADO NO FIM. Sem ela, a vida seria um erro (Friedrich Nietzsche)

MARAVILHAS é um texto que foi escolhido como um dos vários exemplos de motivações e inspirações para escrever e que fez parte de minha palestra ministrada em São Paulo sob o título GRAVIDADE. As explicações para MARAVILHAS vêm de encontro a uma proposta do Facebook a todos seus usuários para recordar publicações do passado e postá-los na linha do tempo. MARAVILHAS é um dos textos que o Facebook escolheu para recordar. Minha inspiração para escrever este texto veio de uma mús
ica, sua melodia, não sua letra. Conforme expliquei na minha palestra GRAVIDADE, descrever o que a alma sente ao ouvir uma melodia é um desafio dos mais prazerosos. Quando ouvi a canção VALLEY OF THE DOLLS (Vale das Bonecas) da cantora britânica MARINA AND THE DIAMONDS tive uma agradável sensação de desapego, desamparo e conformada solidão. Na minha alma esta música flui como o humano a se lamentar, à distância, e, ao mesmo tempo, com admiração, ecoando uma voz desembargada e plangente pelo espaço e rompendo seu silêncio absoluto. Logo me veio a ideia de escrever sobre as sete maravilhas do sistema solar, suas principais características físicas que tornam estes fenômenos do universo espetaculares, suas conotações abstratas vindas da mitologia grega que dá nomes a estes encantos. A cada parágrafo, falo, ainda, sobre as tristezas que marcaram minha vida e que acrescentaram mais desgosto à minha alma. A terra é uma dessas maravilhas. Para falar de nosso planeta preciso estar fora dele. Escolhi um lugar próximo e desolado. A lua. E cada beleza é descrita a partir de uma das várias e grandes planícies da lua às quais os cientistas deram nomes de mares. Seguem abaixo cada um dos parágrafos do texto original, (em itálico) e as respectivas explicações para cada um deles, começando da sétima até a primeira maravilha.

No mar da tranquilidade passo os dias em silêncio só na companhia de meus pensamentos atormentados, e de muito longe vejo uma criança grandona, filha da terra, jorrando água e gelo e trombeteando mãos às armas. 

Encélado é um das luas de Saturno. Significa aquele que faz um chamamento às armas com uma trombeta. Na mitologia grega, é uma criança grandona, filha de gaia, a mãe terra. Esta lua tem vários vulcões que, continuamente, expelem água que logo vira gelo quando chega à superfície super gelada.

No mar da serenidade passo meus dias sossegados, só na companhia dos vazios deixados por almas partidas, e de lá  o dominador do tempo infinito reina na era de ouro, como o soberano da preciosa beleza, o senhor dos anéis frios e fiéis. 

Saturno é a versão romana do grego Cronos, aquele que domina o tempo, soberano do ouro. Existe coisa mais linda que os anéis de saturno vistos de perto?

No mar da fecundidade passo meus dias conformada, só na companhia da lembrança de filhos desertados, e de muito longe vejo um homenzarrão, dono de universo, ensoberbecendo poderio com uma grande pinta vermelha. 

Júpiter é a versão grega de Zeus, um homem grande, conhecido como o deus dos deuses. A mancha vermelha na superfície tem o tamanho de várias terras, é uma tempestade constante, que nunca termina e gira no sentido contrário aos ventos do planeta.

No mar da umidade passo meus dias em lamentações, só na companhia de arrependimentos que não me deixam dormir, e percebo que o separador do espaço é solitário como eu, entre o interno e o externo, parecido com uma estrela e usando um cinturão com buracos exageradamente espaçados. 

Entre os planetas pequenos e internos, Mercúrio, Vênus, Terra e Marte, e os gigantes externos, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, há um cinturão de asteroides (rochas), como um enorme anel em volta do sol. Ao contrário do que pensávamos, o espaço que separa as rochas é de um milhão de km. Vistos de longe, parecem todos grudados umas às outras. Asteroides em grego significa aquilo que se parece com uma estrela.

No mar da tempestade eu passo meus dias incompreendidos só na companhia de erros encontrados nas ingênuas intenções, e de muito perto vejo a morada dos deuses declarando guerra do pedestal mais alto. 

No planeta Marte existe a maior montanha de todo o sistema solar, o Monte Olimpo. É três vezes mais alto que o Everest na terra. Olimpos na mitologia grega era a morada dos deuses, a montanha mais alta da Grécia. Marte é o deus da guerra.


No mar da intelectualidade passo meus dias ensimesmados só na companhia de meus sonhos não realizados, enquanto a fonte da vida sopra os ventos do norte e ilumina a donzela do amanhecer. 

O sol. A fonte da vida. Quer coisa mais linda que a aurora boreal? Explosões solares chegam à terra e o nosso planeta se defende com seu campo magnético e faz as explosões entrarem pelos polos, como um para raio, daí a razão daquelas lindas luzes coloridas no polo norte. Aurora boreal vem das seguintes palavras do grego: Boreal = vento do norte; Aurora = a donzela da manhã.

No mar da nebulosidade passo meus dias esgotados só na companhia da contagem regressiva para morrer, e há dentro de mim um caos do qual surge uma mãe terra com uma absurda potencialidade criadora de maravilhas que posso ver, mas não tocar.

Terra. Nosso lar, o único planeta com flora e fauna em todo o sistema. Em grego terra é Gaia. Segundo os gregos, no início tudo era caos, de repente surgiu Gaia e gerou tudo o que conhecemos em nosso planeta. Na mitologia grega, Gaia gerou todos os deuses gregos.

Leia o texto original acessando o link http://alceunatali.blogspot.com.br/2015/04/maravilhas.html. A ilustração do o texto original chama-se Mulher Solitária. A ilustração deste texto é uma concepção artística de Encélado.