domingo, 25 de setembro de 2016

MARIA GASOLINA

Texto de autoria de Alceu Natali com direito autoral protegido pela Lei 9610/98. LEIA O TEXTO AO SOM DA MÚSICA DO VÍDEO POSTADO NO FIM. Sem ela, a vida seria um erro (Friedrich Nietzsche)

Dirigindo sozinho, Regulando periquitas nas ruas, O preço aumenta em seus olhos, Você pega pesado, Leva para o banco de trás, Para agitar e por para quebrar, Não meu coração, Mas o de sua mãe, Não sou Maria chuteira, Sou movida à gasolina, Você quer mostrar  seu documento, Mas só quero me expor a olhos invejados na velocidade de seu carango, Na sua conversibilidade, A céu aberto, Onde você pode imaginar meu corpo, Enchida de vento, Com que meu voo exibido se levanta, Você quer mostrar sua manha, Mas se quiser parar, É dentro de um cinema, Para cabular a aula, E tocar só na minha pipoca, Ou dentro de um posto, Para repor suas energias, Porque meu combustível é inesgotável,  E querer me pegar à força, Nada tem a ver com a doçura que sou, A escamosa que escondo, Você não vai me ver petrificada, Escancarando sentimentos que me comprometem, Só vai conhecer meu lado maluquinho, No limite de meu assanhamento, E se você quiser me dar um amasso numa boa, E ir muito além de um beijo de língua, Estarei naqueles dias, E você nas minhas coxas, No máximo, Nas minhas nádegas de luto aliviado, Com calcinha ainda hasteada a meio pau, Tudo tem a ver com quem você é, Como você pode zelar pela minha defloração, Com o tamanho de seu documento, Seu carro, E sua combustão.