sexta-feira, 30 de setembro de 2016

PARÁGRAFOS 53 A 62 DO LIVRO VALE DA AMOREIRA




Texto de autoria de Alceu Natali com direito autoral protegido pela Lei 9610/98.  LEIA O TEXTO AO SOM DA MÚSICA DO VÍDEO POSTADO NO FIM. Sem ela, a vida seria um erro (Friedrich Nietzsche)

Certos acontecimentos e até mesmo certas pessoas são inexplicáveis. Pacífico oscilava entre os opostos da fama de malandro, se visto apenas de fora, e da ternura de um conciliador, se fosse possível penetrar no seu íntimo. Ele argumentou com os milicos de maneira bem convincente e livrou a barra de todos. Ele era da turma da rua de baixo, rival da turma da rua de cima de Tilly, mas ele costumava fazer diplomáticas incursões pelos territórios inimigos e acabava conquistando a simpatia de todos. Durante um curto período de tempo e sem nenhum motivo aparente, ele passou a frequentar a rua de Tilly com quem teve uma enorme empatia. Ele não jogava bola, mas por causa de Tilly promoveu um torneio entre várias turmas, muito mais pelo desejo de uma confraternização entre vizinhanças rivais, especialmente entre a sua, a do Córrego do Macaco, e a de Tilly, a do Messias Trombeteiro. Pacífico morreu de forma estúpida, de complicações pulmonares depois de ter levado dois tiros no peito só porque, de brincadeira, ele chamou de cheirosinho um sujeito conhecido por continuar fedendo como carniça mesmo depois de tomar banho. Pacífico era pobre de espírito e universal e, ao saber de sua morte, Tilly se arrependeu pela segunda vez e profundamente, por não ter lhe retribuído em vida tanta consideração com atitudes mais solidárias. Mas, mesmo certas atitudes são incompreensíveis, como a de Tilly ao escolher o pacato e limitado Bombeiro, o filho do desejo, como seu confidente e conselheiro para seu primeiro ato sexual com preservativo. Bombeiro também morreu de forma brutal, com um tiro na nuca disparado pelo passageiro no banco de trás de seu táxi.
A morte foi muito precipitada com Pacífico e Bombeiro e nem sempre ela é assim. Nem sempre ela vem para ceifar vidas. Muitas vezes ela aparece apenas para fazer uma visita, tomar um café, bater um papo, agradecer a hospitalidade, esperar por um ‘volte sempre’ e se despedir com um ‘qualquer coisa, é só avisar’. Se Tilly soubesse disso ele não teria saído correndo naquele dia fatídico e permaneceria calmo e parado como ele fez na primeira hora de uma noite quando ele se encontrava abraçado com a namorada no ponto de ônibus e viu, à distância, se aproximando pela calçada, uma horda de desordeiros, chutando latas de lixos, escarrando, urinando nos postes, uivando como coiotes de porre e vomitando toda sorte de palavrões para os que iam e vinham a pé ou motorizados. Não demorou muito para aqueles vândalos do anus da periferia chegarem até Tilly e sua namorada e prensa-los contra a parede prenunciando um duplo estupro, mas com preliminares com requintes cáusticos:
E aí, meu, não vai apresentar a noivinha pra gente?
Tilly, solenemente, apresentou sua namorada ao chefe daqueles fariseus que, jocosamente, se inclinou, beijou a mão da moça, voltou-se para Tilly e lhe disse:
Mina joia, meu.
Tilly agradeceu e apressou-se em apresentar a si mesmo e acrescentou que estudava no Ginásio do Prolongo e de lá viera a  pé até a avenida para pegar o ônibus de volta para casa.
Espera aí! Te conheço! Você é amigo da turma do sei lá de quem do Prolongo! Ei, patota, esse cara é dos nossos! Caralho, cadê a educação? Cumprimentem a noiva dele!
Aqueles fuleiros limparam o ranho e a baba com o dorso das mãos ensebadas, e um a um contaminaram a delicada e suave pele da eleita de Tilly, meneando as cabeças para frente, leve e seguidamente enquanto andavam de fasto, como se fossem súditos sem permissão para dar as costas a uma princesa antes de deixar o palácio.
Valeu, meu! Joia te encontrar e conhecer sua noivinha! Fica frio. Aqui, lá no Prolongo e nesse pedaço todo você está em casa! É só dar um toque. E não se esqueça da gente quando sair o casório, despediu-se o Átila do Bairro da Marrequinha.
Quando a morte se depara com a pessoa errada, ela se toca, por assim dizer, se constrange com a mancada que deu e, ao querer se desculpar com agrados, acaba se complicando mais ainda e comete gafes como prometer que lhe avisará com antecedência quando sua hora estiver chegando. A pessoa errada neste caso pode ter sido a namorada de Tilly protegida pelo seu daimon. Só isso poderia explicar o engano esdrúxulo de ser reconhecido por alguém que Tilly nunca viu mais gordo e ainda ser associado à turma de um sujeito cujo apelido era tão difícil de entender e de guardar quanto o de um colega seu do mesmo Ginásio do Prolongo que disse ter sido transferido de uma escola com um nome tão cumprido e complicado cuja única parte inteligível era ligabuia.